Exames de Ultrassom na Gravidez – Dr. André Arnaud

Quando descobrimos que estamos grávidas, qual a primeira coisa que queremos fazer???? ULTRASSOM !!!! A ansiedade para saber se está tudo bem com nosso bebezico, ouvir o coraçãozinho (coisa que as vezes, dependendo de quando fará o primeiro exame ainda não da para ouvir), enfim… dar a primeira espiadinha e o primeiro “Oi” pra sementinha mais amada do mundo!!!

Tem pessoas (loucas tipo EU) que fazem mil trezentos e setenta e sete exames de imagem ao longo da gravidez… Mas… Tirando essa emoção toda, quantos e quais exames são necessários ao longo das 40 semanas de gestação?

Para isso convidei o super fera top Dr. André Arnaud (www.andrearnaud.com.br) para explicar um pouquinho sobre eles… QUAIS são os principais, QUANDO devem ser feitos e o que será avaliado em cada um!

Bati um papo com ele e olha o que aprendi!!!! = )

Dr. André Arnaud
Dr. André Arnaud
  • A fase de realização de cada exame é de extrema importância! Como cada exame tem um objetivo, precisa ser pedido em determinada época da gestação. Existem coisas que só conseguem ser vistas em determinado período.
  • A avaliação sonográfica no primeiro trimestre da gravidez é extremamente importante. Define-se uma série de situações que possibilitam um melhor acompanhamento da gestante.
  • Os exames desse período devem ser realizados, preferencialmente, via transvaginal. Essa via permite uma melhor qualidade de imagem para essa fase e possibilita a análise precoce de algumas situações. Esse exame pode ser complementado com imagens obtidas via transabdominal.

Segue relação com os principais exames biofísicos que devem ser pedidos no acompanhamento pré natal:

  1. O primeiro exame deve ser feito o mais cedo possível (6 a 8 semanas). Objetivos: localização do saco gestacional (Certificar de que é uma gravidez tópica, o embrião está de fato no útero, em condições boas. Detecta-se casos de gravidez tubária etc.), avaliar a vitabilidade ovular (usa-se o doppler colorido para essa avaliação), análise quantitativa (quantos bebezinhos existem no útero = )  ), avaliar o batimento cardíacoidentificar a idade gestacional (período mais confiável para isso. Se não coincide com a DUM, prioriza-se a do ultrassom), avaliação do colo uterino (se está fechado direitinho, se está com dilatação do orifício interno (incompetência istmo cervical) – para tomar as devidas providências)
  2. Morfológico do primeiro trimestre (11 a 13 semanas. 12 de preferência.). Objetivos: Análise do risco de alteração cromossomial através da avaliação de alguns marcadores biofísicos. Não só a síndrome de Down mas também outras anormalidades cromossomiais. Importante ressaltar que marcadores anormais NãO indicam que o feto tem alguma anormalidade e sim que possuem o risco aumentado. Como o contrário também acontece, indicadores normais não garantem que o feto não possui nada, apenas indica que o risco de ter está diminuído. Os marcadores são os seguintes: Tranluscencia nucal (medida da espessura da nuca do feto – considerado normal é menor que 2,5 mm), visualização do osso nasalavaliação do fluxo de sangue do duto venoso (através do doppler colorido), avaliação do fluxo de sangue da válvula tricúspide, avaliação do angulo facial (algumas medidas da face). Esses são os 5 marcadores mais importantes. Esses 5 pelo menos devem ser avaliados nesse exame. Fora esse estudo de risco para alterações comossomiais, também são analisados o desenvolvimento fetalanatomia do fetocolo do úteroquantidade de liquidoplacentafluxo de sangue das artérias uterinas (analise de risco para pre eclampsia).
  3. Morfológico do segundo trimestre (20 a 22 semanas). Objetivos: Avaliação mais fina da anatomia fetal de uma forma mais precisa e mais delicada (presença e tamanho dos órgãos). Continua-se checando o desenvolvimento fetal, avaliação do colo uterino (via transvaginal para verificação de risco de parto prematuro).
  4. Ultrassom 3D / 4D (opcional – 26 a 29 semanas para uma melhor visualização da face): Objetivo: Matar a curiosidade do papai, mamãe, vovó… A tão sonhada e esperada fotinho do filhote dentro da barriga da mamãe.

    Ultrassom 3D/4D
    Ultrassom 3D/4D
  5. Terceiro trimestre (32 semana). Objetivos: Analisar a placenta, avaliar quantidade de líquido amniótico, desenvolvimento fetal. 

Além dos exames de ultrassom, existem exames para analisar o bem estar fetal. É o caso do Doppler, onde além de avaliar o bem estar fetal, é capaz de identificar riscos da paciente vir a ter pré eclampsia (através do fluxo de sangue). Os exames de doppler continuam sendo feitos ao longo da gestação para ver a oxigenação do feto para saber se está tudo bem ou se há sofrimento fetal que será indicação para retirar o neném (tendo viabilidade é claro). A partir da 33 semana, se intensificam essas verificações.

Doppler de artéria umbilical
Doppler de artéria umbilical

6. Exame de perfil biofísico fetal (a partir da semana 30 – exame opcional / indicação). Combinação da ultrassonografia com a cardiotocografia (registro do batimento do coração do bebê).

Pontos de Atenção:

  • É muito importante que os exames de ultrassom sejam realizados em lugares com equipamentos de alta qualidade para que as imagens sejam de qualidade.
  • Esses exames são “operador dependente”. Dependem de QUEM está realizando não somente pela interpretação e sim pela maneira de conduzir.
  • Profissionais bem treinados, qualificados e experientes mais imagens de alta qualidade garantem laudos confiáveis!
  • Importante lembrar que a tomada de decisão para realização desses exames é de responsabilidade do obstetra que é quem de fato acompanha a gestante.

É isso gente! Espero que tenham gostado e tenham aprendido um pouco mais sobre esse universo “exames de ultrassom” na gravidez! E que agora possam curtir mais ainda esses momentos tão tão tão esperados por nós!!!

Curte lá nossa pagina no face!!! /pausaproespumante !!!!!

 

2 thoughts on “Exames de Ultrassom na Gravidez – Dr. André Arnaud

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *